Capela de S. Cipriano, em Moreira do Lima

 

Capela de S. Cipriano, em Moreira do Lima

 

Gracinda Dantas

As histórias contadas à lareira, nas noites de inverno, não deixaram esquecer a capela de S. Cipriano. Ela e outras, aconchegadas em diferentes recantos, fazem parte de um património colectivo “grandioso” pertença do povo de uma freguesia que dá visibilidade à sua fé através dos monumentos religiosos e dos cultos a eles associados.

Sempre a soubemos ali perto, do outro lado da Serra de Antelas, por cima da Vila Nova, como os nossos progenitores muito bem indicavam. Estava lá, em ruínas, e a imagem do orago fora transferida para a capela do Espírito Santo.

Ouvimos histórias cativantes dos santos venerados na freguesia, mas a de S. Cipriano nunca nos foi contada. Associa-se este nome a um conjunto de bruxarias agrupadas no Livro de S. Cipriano. Efectivamente, existiu um S. Cipriano, mago, que se converteu ao Cristianismo, foi bispo de Antioquia e mártir. Mas o culto que se difundiu na Península Ibérica, desde o período hispano-romano, finais do século IV, foi o de S. Cipriano, bispo de Cartago e mártir, muito respeitado ainda em vida. No século V, já se celebrava, em Saragoça, a sua festa, que aparece em todos os calendários moçárabes a 14 de Setembro. Assim, pode inferir-se que o S. Cipriano venerado em Moreira foi o bispo de Cartago, mártir e Padre da Igreja. No entanto, não devemos ignorar as dificuldades que se levantam na distinção de santos homónimos. Por isso, e atendendo à especificidade da cultura popular, o mais provável é que se sobrepusessem os cultos.

Sobre o sítio da capela de S. Cipriano registou-se, no Tombo de 1551, que estava numa serra, a de Antelas, que tinha uma fonte à frente e uma devesa de castanheiros e carvalhos e, nas Memórias Paroquiais, que ficava por cima do lugar da Vila Nova. Recolhemos vários testemunhos sobre o local e fizemos uma primeira tentativa lograda de reconhecimento. Estivemos muito próximo, mas não conseguimos descobrir mais do que alguns silhares dispersos. Numa segunda tentativa, tendo como guia o senhor José Pereira, calcámos o solo sagrado de S. Cipriano. Dizia-nos ele: “Por aqui brinquei muito em criança. Era tudo muito verde e ainda havia paredes em pé”. Não se recorda muito bem, mas parece-lhe que a porta estava a nascente, “virada para o caminho por onde passava a Procissão do Cerco”. Um outro testemunho, reportado à década de setenta do século XX, refere um amontoado de silharia, e uma envolvente onde se distinguia o adro e outros muros de suporte.

A pedra foi retirada na sua quase totalidade, a vegetação invadiu o local, as crianças e os gados desapareceram dali.

O sítio de S. Cipriano está praticamente irreconhecível.

Foi considerada uma pequena ermida no Tombo de 1551, recolhimento de beatas na Corografia Portuguesa, uma casa nas Memórias Paroquiais, capela no Tombo de 1795 e ermida de um só corpo na Grande Enciclopédia. Distinguem-se mal os alicerces, mas tudo indicia que se tratava de um pequeno templo constituído por uma nave sem capela-mor. A poente, atrás de um conjunto de silhares organizados em ângulo recto, existe um baixo morro confinante com a vertente. Reconhecem-se vestígios de alicerces no sentido oposto e próximo uma exploração de água. Como se registou no Tombo de 1551 que tinha uma fonte à frente, fica em aberto a hipótese da orientação desta capela ser de poente para nascente, ao contrário da maioria dos templos. Adjacente aos alicerces, presumivelmente da frontaria, encontra-se um bloco cilíndrico, com sulco de encaixe central pouco profundo e duas reentrâncias paralelas na parte externa. Poderá tratar-se da base de sustentação do poste de uma viga telheira ou de parte de um púlpito exterior, ocupando posição lateral em relação à porta.

Mário Jorge Barroca restituiu a dignidade perdida à capela de S. Cipriano. Na sua Dissertação de Doutoramento apresenta, em página de abertura, uma citação de Santo Tomás de Aquino, “… que também as pedras falam para averiguar antiguidades…”, definindo a essência do seu trabalho: descodificar inscrições epigráficas dando a conhecer retalhos da História. Entre essas inscrições, encontra-se uma que se reporta à capela de S. Cipriano. É constituída por um silhar avulso, retirado das ruínas e guardado na sacristia da capela do Espírito Santo.

Apresentou a seguinte leitura:

 

 

O autor considera que a inscrição se reporta à conclusão das obras da Igreja de S. Cipriano e, talvez, da sua sagração, tendo sido, posteriormente, reduzida à condição de capela. Evidenciou e demonstrou o carácter erudito da mesma e a importância que assume pela sua antiguidade.

Trata-se de uma inscrição em língua latina cuja interpretação é a seguinte: o templo foi concluído pelo confrade Diogo na era de 1068 (ano de 1030). É precedida de uma cruz pátea muito associada à Ordem do Templo/Cristo. Não foi de seu uso exclusivo e, à data da inscrição, a Ordem ainda não existia. Foi fundada em 1118.

Denominar a capela de S. Cipriano de Igreja deixa em aberto a possibilidade de considerá-la matriz de uma paróquia. Assim foi entendido pelo autor da Nota Histórico-Artística sobre a capela do Espírito Santo, no sítio do IGESPAR.

A paróquia de S. Cipriano não consta da relação das igrejas compreendidas entre os rios Minho e Lima, reportada ao período do século X-XII. No entanto, Avelino de Jesus Costa admite a possibilidade de outras terem existido, extraviando-se a documentação. Também não consta da lista das igrejas datada de 1258 ou 1259, cuja origem se supõe relacionada com as Inquirições de D. Afonso III.

A capela de S. Cipriano estava encravada num pequeno enclave na serra. O espaço periférico não apresenta marcas de ocupação e é profundamente acidentado. Nas suas imediações, podemos admitir a reocupação da pequena povoação do período romano do Alto dos Carvalhinhos e o aparecimento de uma vila nova, perpetuada na toponímia como lugar da Vila Nova.

Uma igreja paroquial era um “polo sacralizador e protector”, por isso, a escolha do seu sítio era sempre rodeada de cuidados especiais. Pelo seu significado, devia integrar-se no povoado e em local visível. Se algumas existem em pontos actualmente isolados, outrora tiveram aldeias em seu redor ou foram ermitérios. (ALMEIDA: 2001, p. 67). O sítio de S. Cipriano não se funde com os possíveis agregados populacionais mais próximos. No entanto, sabe-se que, à medida que o repovoamento avançava, se foram erigindo novos templos dependentes da igreja mãe que reservava para si o direito de enterramento, baptismo e casamento. Alguns deram origem a paróquias, outros funcionaram como igrejas paroquiais, à revelia da autoridade eclesiástica sem força suficiente para fazer cumprir os seus normativos, devido à instabilidade política, outros desapareceram. Por outro lado, atendendo a que Mário Jorge Barroca interpretou as letras CF da inscrição como uma abreviatura da palavra confrater, pode admitir-se a existência de um pequeno mosteiro. Sabe-se que foram frequentes nos séculos X e XI e que o seu número era tão elevado que chegavam a confundir-se com as igrejas paroquiais.

Independentemente da sua origem – ter sido mosteiro, ou um templo desempenhando funções de paroquial com direito reconhecido pela autoridade eclesiástica ou à revelia desta ou até mesmo um ermitério – a capela de S. Cipriano pode ter sido ou funcionado como paroquial, e posteriormente, anexada à de S. Julião, à semelhança de muitas outras.

No Tombo de 1551, a capela de S. Cipriano foi registada como propriedade da igreja e tinha como bens uma devesa confinante e o campo de Fontão. Estavam integrados num prazo que não era perpétuo, porque se registou que Paio Rodrigues o ia novamente emprazar. Nas Memórias Paroquiais foi considerada como ermida particular com muito bom património. Era então administrada por António Pereira Pinto de Eça, da casa de Bertiandos, padroeiro da igreja. No Tombo de 1795 precisou-se de forma clara que a sua padroeira era a mesma da igreja e que tinha a obrigação de “a venerar”, porque a ela estavam vinculados vários bens dos quais se deveriam pagar foro à igreja e aos seus párocos, mil e duzentos réis, anualmente. O abade ignorava as propriedades constituintes do prazo de S. Cipriano e se recebia o dito foro. A padroeira, Dona Catarina Teresa Pereira Pinto Montenegro de Eça, residente em Braga, assumiu-se como citada para se proceder à medição deste prazo e solicitou alguns dias para nomear representante. Acabou por não comparecer e o prazo não foi medido por falta de elementos, conforme se declara na sentença de encerramento dos bens da igreja. Tudo indicia que o prazo de S. Cipriano, entre 1551 e 1758, passou para a família detentora do direito de padroado. Como a constituição de um prazo pressupunha a divisão do direito de propriedade em domínio directo, pertença do senhor – neste caso, a Igreja – e domínio útil, direito de explorar, concedido ao foreiro ou enfiteuta – neste caso, a família do padroeiro – com a obrigação de pagar foro. Assim, entende-se que, em 1758, a capela de S. Cipriano tenha sido considerada ermida particular. Não o era de forma absoluta, havia obrigações, que foram reconhecidas pela padroeira em 1795.

Com a laicização e desamortização concretizadas pelo Estado Liberal, verificou-se a extinção do direito de padroado e a venda dos passais, bem como de bens paroquiais. Foi neste contexto que a capela de S. Cipriano foi assumida in loco como pertencente à casa de Bertiandos, a qual, entretanto, pode até ter procedido à remissão do foro. Confusão semelhante sobre o direito de propriedade detecta-se, em 1958, a propósito da capela do Divino Espírito Santo, num registo de António Fernandes Lima: “Esta capela foi há poucos anos, particular; hoje é da freguesia” (LIMA: 1958, fl 4). Ora a capela do Espírito Santo está documentada como bem da paróquia desde meados do século XVI.

A questão histórica da capela de S. Cipriano ainda suscita muitas interrogações, que poderão ser respondidas no futuro pelo conhecimento de novas fontes. Esta atitude de esperança já não pode ser assumida no que diz respeito ao nosso património. Esse foi, irremediavelmente, sacrificado.

 

Bibliografia:

– ALMEIDA, Carlos Alberto Brochado de – Proto-história e Romanização da Bacia Inferior do Lima. Viana do Castelo: Centro de Estudos Regionais, 1990

– ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de – História da Arte em Portugal: O Românico. Lisboa: Presença, 2001

– BARROCA, Mário Jorge – Epigrafia medieval portuguesa: 862-1422. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000, vol. II, Tomo I

– COSTA, António Carvalho da – Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal... Tomo I. Lisboa: Officina de Valentim da Costa Deslandes, 1706

– COSTA, Avelino de Jesus da – A Comarca Eclesiástica de Valença do Minho. In Separata do 1º Colóquio Galaico Minhoto. Ponte de Lima: Associação Cultural Galaico-Minhota, 1981

– GARCIA RODRIGUEZ, Carmen – El Culto de los Santos em la España Romana y Visigoda. Madrid: C.S.IC, 1966

– LIMA, António Fernandes Lima – in Capela Românica de Moreira do Lima: Processo Administrativo PT DGEMN DSID-001/016-2222/1. [em linha]. SIPA: 1958. [Consult. 26 Julho 2012]. Disponível em: http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPAArchives.aspx?id=092910cf-8eaa-4aa2-96d9-994cc361eaf1

– MATTOSO, José – Portugal no Reino Asturiano-Leonês. In História de Portugal. [Lisboa]: Círculo de Leitores, 1992, vol. I

– PAF – Capela românica de Moreira do Lima: Nota Histórico-Artistica. [em linha]. IGESPAR. [Consult. 7 Novembro 2012]. Disponível em: http://igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimovel/detail/73503/

Tombo da Freguesia de S. Julião de Moreira do Lima de 1551, trasladado em 1720, Arquivo Distrital de Braga

Copea dos Autos do Tombo da Igreja e Freg.ª de S. Juliam de Moreira do Lima no termo de Ponte de Ponte de Lima: Feito no anno de 1795. Arquivo Distrital de Braga

– Moreira do Lima. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. 17

– Ponte de Lima e freguesias do seu (actual) concelho nas Memórias Paroquiais de 1758, segundo o Dicionário Geográfico do Padre Luís Cardoso: Freguesia de Sam Juliam de Moreyra do Lima. Arquivo de Ponte de Lima. Ponte de Lima: Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1984, vol. V

 

Publicado na LIMIANA – Revista de Informação, Cultura e Turismo n.º 34, de Outubro de 2013

 

Fotografias: Armindo Júlio Marques

Ponte de Lima no Mapa

Ponte de Lima é uma vila histórica do Norte de Portugal, mais antiga que a própria nacionalidade portuguesa. Foi fundada por Carta de Foral de 4 de Março de 1125, outorgada pela Rainha D. Teresa, que fez Vila o então Lugar de Ponte, localizado na margem esquerda do Rio Lima, junto à ponte construída pelos Romanos no século I, no tempo do Imperador Augusto. Segundo o Historiador António Matos Reis, o nascimento de Ponte de Lima está intimamente ligado ao nascimento de Portugal, inserindo-se nos planos de autonomia do Condado Portucalense prosseguidos por D. Teresa, através da criação de novos municípios. Herdeira e continuadora de um rico passado histórico, Ponte de Lima orgulha-se de possuir um valioso património histórico-cultural, que este portal se propõe promover e divulgar.

Sugestões