Parabéns, Ovídio! – Por Ricardo de Saavedra

 

Parabéns, Ovídio! – Por Ricardo de Saavedra



Ricardo de Saavedra
Jornalista e Escritor



Olá, caríssimo Ovídio, e muitos parabéns pelos teus 83, que hoje se comemoram. Agradeço ao Dr. José Pereira Fernandes o ter-me lembrado, o que me obrigou a reler pela enésima vez o apontamento que há 58 anos sobre ti escrevi, dando-te força, incentivando-te.

Recordo com inapagável saudade os nossos encontros durante as férias em Ponte de Lima, de longos passeios no Monte da Madalena e junto ao rio, tal como mais tarde, em Lisboa, tive o privilégio de ser dos primeiros a apreciar a tua obra e a publicar alguns dos teus trabalhos nos jornais a que estive ligado.

Recordo que, depois de ter escrito que «os seus nus, por exemplo, atraem os mais distraídos. Não tanto pelo aspecto sensual, mas pelo colorido exacto, pelas linhas concretas, pela vida interior das formas» – tu me ofereceste o mais marcante desses nus. Era um óleo com pouco mais de um metro de comprimento retratando uma cativante jovem recostada num canapé, completamente nua, serena e quase mística, fruto de inspiração que vagueava entre a Vénus de Urbino criada por Ticiano e a Odalisca de Ingres. Lembras-te dela?

Tinha sido um trabalho executado na Escola e tu, Ovídio, achaste que ficaria bem no meu quarto. Custou-me dois ou três jantares até me convenceres a aceitá-lo sem refilar. Mas vinte e tal meses mais tarde eu era mobilizado para África, numa comissão de serviço de dois anos (que se multiplicaria por mais vinte) e uma amiga ofereceu-se para guardar algumas das minhas coisas, incluindo o teu nu. Ingenuamente, confiei. Sem sequer imaginar que iria perder não apenas a sua amizade mas tudo quanto lhe confiara.

Nos breves encontros que muitos anos volvidos mantivemos nunca este caso te contei. Recordo-o hoje, Ovídio, para te pedir perdão pelo meu descuido. Mas acredita que, por outro lado, me sinto honrado e feliz ao verificar que, quanto há 58 anos escrevi sobre ti, era apenas um modesto prenúncio do grande Mestre em que te tornaste, em distintos níveis, no mundo da Arte. A convicção que cedo tive de que o nome de Ovídio Carneiro ficaria gravado a letras de ouro na terra e no País que o viu nascer concretizou-se. Obrigado por tudo, querido Amigo, e parabéns mais uma vez.

27 de Março de 2021

 

Ponte de Lima no Mapa

Ponte de Lima é uma vila histórica do Norte de Portugal, mais antiga que a própria nacionalidade portuguesa. Foi fundada por Carta de Foral de 4 de Março de 1125, outorgada pela Rainha D. Teresa, que fez Vila o então Lugar de Ponte, localizado na margem esquerda do Rio Lima, junto à ponte construída pelos Romanos no século I, no tempo do Imperador Augusto. Segundo o Historiador António Matos Reis, o nascimento de Ponte de Lima está intimamente ligado ao nascimento de Portugal, inserindo-se nos planos de autonomia do Condado Portucalense prosseguidos por D. Teresa, através da criação de novos municípios. Herdeira e continuadora de um rico passado histórico, Ponte de Lima orgulha-se de possuir um valioso património histórico-cultural, que este portal se propõe promover e divulgar.

Sugestões