Mário Leitão

 
Ver mais

Mário Leitão


 

Mário Leitão – António Mário Lopes Leitão – nasceu em 1949, na freguesia de Correlhã, concelho de Ponte de Lima.

Após o serviço militar em Angola, que cumpriu como furriel miliciano da Farmácia Militar de Luanda, em cuja Universidade iniciou o Curso de Medicina, acabou por concluir aos 32 anos a Licenciatura em Farmácia, na Universidade do Porto, depois de um percurso escolar contínuo como trabalhador-estudante.

Foi analista do Serviço de Patologia e coordenador do Serviço de Sangue do Hospital Distrital de Viana do Castelo durante a década de oitenta, acumulando com o cargo de professor convidado de Microbiologia Médica e de Farmacologia na Escola Superior de Enfermagem de Viana do Castelo.

Foi o fundador do GEICE - Grupo de Estudo e Investigação das Ciências Experimentais, que dirigiu de 1975 a 1985 (hoje Rádio GEICE).

Possui o Curso de Piloto Aviador pela Direcção-Geral da Aeronáutica Civil (1978).

Possui a Carta de Patrão de Alto Mar (2001).

É instrutor internacional de mergulho pela Professional Association of Diving Instructors e pela Scuba Schools International.

É monitor de mergulho amador pela Escola de Mergulhadores da Armada.

É monitor internacional de mergulho da CMAS – World Underwater Federations.

Foi Delegado Regional do FAOJ (Instituto da Juventude) em 1984/1985.

Foi sócio-fundador do Lions Clube de Ponte de Lima, em 1986.

Foi co-fundador da Associação Amigos do Mar, que dirigiu entre 1991 e 2001.

Tem sido palestrante em várias dezenas de colóquios em escolas oficiais.

Publicou cerca de 400 artigos em mais de uma dezena de órgãos de comunicação social, com destaque para a crónica semanal GENTE LIMIANA, que mantém desde 2011 no Jornal Cardeal Saraiva.

Foi director da REVISTA DO MINHO, da qual foi editado apenas o n.º 1, em Dez/1986.

Foi admitido com o n.º 741 na tertúlia LUIS GRAÇA & CAMARADAS DA GUINÉ, considerada a maior rede social portuguesa.

É autor dos seguintes livros:

BIODIVERSIDADE DAS LAGOAS DE BERTIANDOS E S. PEDRO D’ARCOS (Lions Clube de Ponte de Lima, 2012)

HISTÓRIA DO DIA DO COMBATENTE LIMIANO (Edição do autor, 2017)

HERÓIS LIMIANOS DA GUERRA DO ULTRAMAR (Edição do autor,  2018)

 

Bibliografia


1. Biodiversidade das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d’Arcos

Este livro descreve três aspectos fundamentais da história da Área de Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e S. Pedro de Arcos (APPLBSPA), única área protegida de jurisdição local existente no País, criada em 2000: a riqueza da sua biodiversidade, exibida em mais de 500 fotografias; as investigações que o autor fez durante 25 anos, sempre rodeado de equipas de jovens oriundos de associações ambientalistas, que foram decisivas para a classificação dessa zona húmida; e a proposta de criação do “Parque Biológico de Bertiandos”, que o autor apresentou no II Congresso Nacional de Áreas Protegidas, organizado pelo Instituto de Conservação da Natureza na Fundação Gulbenkian, em 1989.
“Sinto-me quase cúmplice do entusiasmo que animou o António Mário. Se as palavras que em tempos lhe dirigi serviram de alavanca ao seu entusiasmo e à sua iniciativa, posso sentir-me indultado dos trabalhos e fadigas em que o meti”.
Dr. Francisco Abreu Lima, Presidente da C.M.P.L. entre 1986 e 1990

 


2. História do Dia do Combatente Limiano

O livro descreve o que tem sido feito pelo Município de Ponte de Lima acerca da conservação das memórias dos militares limianos mortos ao serviço da Pátria, denunciado a inexistência de um monumento aos 27 que morreram na Primeira Grande Guerra e a reprovação feita pela Assembleia Municipal, na sessão de Dezembro de 2015, da proposta para a criação do Dia do Combatente Limiano, subscrita pelas mais representativas Forças Vivas do Concelho.
Transcrição:
“Quais teriam sido os fatores políticos, sociais ou culturais que determinaram que o Concelho de Ponte de Lima se tenha esquecido dos seus 27 Filhos que tombaram pela Pátria em terras da Flandres e em Moçambique, na Grande Guerra?
Qual é a magia perversa que ainda hoje, em plena comemoração do Centenário da Grande Guerra, continua a provocar esse esquecimento e a impedir que um monumento e uma lápide perpetuem as memórias desses Heróis Limianos?
Qual a razão que teria levado o Presidente da Câmara e 50 Membros da Assembleia Municipal de Ponte de Lima a rejeitarem a institucionalização de um dia comemorativo do sacrifício dos Limianos que perderam a vida em defesa de Portugal?”

 


3. Heróis Limianos da Guerra do Ultramar

 “O primeiro objectivo deste livro é conservar as memórias dos nossos Rapazes que morreram ao serviço de Portugal, quarenta e cinco em teatros operacionais e oito no território continental, através da recolha dos seus elementos biográficos conhecidos.
O segundo propósito é homenagear o seu sacrifício e honrar as suas Famílias, que tanto têm sofrido com o abandono a que o Estado as condenou.”
Excerto da Introdução

“Nesta obra que acabamos de ler de um fôlego porque nos prendeu e arrebatou desde a primeira página, pelo seu aturado, rigoroso e profundo trabalho de pesquisa, Mário Leitão foi em busca das tão breves, mas sagradas vidas dos heróis que ofereceram a sua vida à Pátria. De um realismo profundo, esta obra foi escrita não apenas com o sangue dos eleitos, mas também com o coração do autor, como se tivesse ido ao teatro de operações à frente de um pelotão de busca e salvamento para resgatar esta gloriosa gente e para os devolver à memória colectiva limiana. Uma obra notável.”
Luís Gonzaga Coutinho de Almeida, Coronel


Ponte de Lima no Mapa

Ponte de Lima é uma vila histórica do Norte de Portugal, mais antiga que a própria nacionalidade portuguesa. Foi fundada por Carta de Foral de 4 de Março de 1125, outorgada pela Rainha D. Teresa, que fez Vila o então Lugar de Ponte, localizado na margem esquerda do Rio Lima, junto à ponte construída pelos Romanos no século I, no tempo do Imperador Augusto. Segundo o Historiador António Matos Reis, o nascimento de Ponte de Lima está intimamente ligado ao nascimento de Portugal, inserindo-se nos planos de autonomia do Condado Portucalense prosseguidos por D. Teresa, através da criação de novos municípios. Herdeira e continuadora de um rico passado histórico, Ponte de Lima orgulha-se de possuir um valioso património histórico-cultural, que este portal se propõe promover e divulgar.

Sugestões