Apresentação pública do Portal “Ponte de Lima Cultural”

 

Apresentação pública do Portal “Ponte de Lima Cultural”


Auditório Municipal de Ponte de Lima
6 de Maio de 2017

 

 

 

Intervenção do Professor Doutor José Cândido de Oliveira Martins
(Universidade Católica Portuguesa)

 

1. É com muito gosto que – como limiano e pessoa profundamente interessada na Cultura – participo aqui e agora na sessão pública de apresentação do Portal Digital de Promoção e Divulgação do Património Cultural – intitulado “Ponte de Lima Cultural”, respondendo assim prontamente ao simpático convite que me fora dirigido pelo dinâmico coordenador deste projecto cultural.

Trata-se de uma iniciativa do Senhor Dr. José Pereira Fernandes, a vários títulos merecedora da nossa admiração e agradecimento. Sabemos bem que a Cultura é um bem comum, que a todos diz respeito. Ora, esse pressuposto implica, por um lado, que todos sejamos produtores e consumidores de Cultura. Por outro, que todos tenhamos uma postura cívica de verdadeiro envolvimento na promoção e divulgação de um bem comum tão precioso e fundamental para a nossa identidade colectiva e para a nossa qualidade de vida.

Só uma pessoa com muito boa preparação cultural, dedicação ilimitada e um enorme amor à terra e à cultura de Ponte de Lima – como o Dr. José P. Fernandes – pode agora ter esta iniciativa tão pertinente e tão convidativa de diversas colaborações, num trabalho de participação alargado de inúmeros cidadãos, entusiasmados pelo exemplo do coordenador deste Portal e irmanados pelo grande e nobre objectivo de difundir a Cultura de e sobre Ponte de Lima à escala global.

Porque quando falamos em Cultura hoje, temos de ter horizontes vastos, abertos e plurais. A Cultura é naturalmente um conjunto muito diversificado de bens e de criações do espírito humano, que não pertence a ninguém em particular – nem partidos, nem instituições. Antes se impõe como um riquíssimo património de todos nós. Herança de séculos, como é o caso da nossa vila minhota, uma das mais antigas de Portugal, deve ser conservado e potenciado por todas as formas, com políticas e programas adequados, de modo a ser transmitido às gerações futuras, como um legado preciso, fundamental para identidade de uma região.

É justamente por isso que o património cultural é um assunto tão relevante que merece a continuada atenção de organizações nacionais e internacionais tão relevantes como a UNESCO ou o Conselho da Europa, no seu esforço de articular a preservação do passado com o presente, mas sempre com o olhar posto no futuro.

 

2. Felizmente, em Ponte de Lima, ao longo da História de quase nove séculos, temos tido pessoas de uma dedicação ímpar à causa da Cultura. Nos tempos mais recentes, e apenas a título de rápido exemplo, permitam-me destacar nomes tão diversos como: o autor dos Anais Municipais de Ponte de Lima, Miguel Roque dos Reis Lemos; as páginas de cultura do Sr. José Rosa Araújo; o Engº João Gomes de Abreu Lima, autor e coordenador de notáveis publicações (dos Arquivos de Ponte de Lima ao volume das Figuras Limianas); o historiador António Matos Reis, nos seus diversos trabalhos sobre a História limiana; e o Sr. Amândio Vieira, autor de obras cativantes sobre a História, a Cultura e as tradições que nos unem.

Pelo referido, e na sequência de uma extensa linhagem de pessoas apostadas em trabalhos sobre a Cultura limiana, entende-se melhor a enorme pertinência e a amplitude de conteúdos de um actualizado e dinâmico Portal digital sobre a Cultura da nossa região, desde a “cultura erudita” até à cultura popular”. Com efeito, cabem neste espaço informações sobre todas as manifestações culturais, desde o território e a sua História de vários séculos, até às instituições e às pessoas que se têm destacado de vários modos e em diversos domínios.

No que respeita ao património humano, merecem natural destaque quer os que nasceram em Ponte de Lima; quer os que, oriundos de outras localidades, aqui fixaram a sua residência; quer ainda os que desempenham alguma função ou tiveram alguma afinidade com esta região. E a consulta interativa deste Portal pode proporcionar aos interessados informações substanciais, devidamente fundamentadas e ilustradas. Diversas e atraentes curiosidades podem seduzir os potenciais leitores deste Portal, repleto de Cultura limiana.

Face ao afirmado, é ainda oportuna uma brevíssima reflexão sobre novos modos de divulgar o conhecimento cultural, partindo deste oportuníssimo exemplo do Portal Ponte de Lima Cultural, que, pelos conteúdos apresentados, pelas justificadas rubricas selecionadas, pela facilidade de interação e pela interactiva tecnologia usada, articula modelarmente tradição e modernidade. Esta é uma forma adequada à sociedade em que vivemos, em que se procura informação fiável com rapidez e através de múltiplas ligações entre conteúdos disponíveis em formato electrónico e digital.

Como afirmado no texto de apresentação do próprio Portal, na actual sociedade em rede em que vivemos, assente na nova galáxia da internet (M. Castels), é absolutamente essencial disponibilizar conteúdos de qualidade sobre os temas mais diversos, através de suportes de comunicação como a internet. Estas novas formas de comunicar informação cultural apresentam enormes e indiscutíveis vantagens, com destaque para as seguintes, algumas das grandes virtudes de um projecto desta natureza:

 

  • i) a democratização do conhecimento, proporcionada pelo acesso gratuito, para qualquer pessoa interessada, através de simples pesquisa on-line;
  • ii) o poder ubiquidade, pelo facto de estar disponível em qualquer parte do mundo e a todo o momento, sem fronteiras espaciais e intemporais;
  • iii) a natureza multimédia, uma vez que os conteúdos são constituídos por textos, imagens (fotos), vídeos ou sons;
  • iv) o trabalho de equipa, de natureza colaborativa, potenciado pelas novas facilidades de comunicação e troca de informação;
  • v) a actualização permanente, uma vez que os conteúdos disponibilizados podem ser actualizados e enriquecidos permanentemente (work in progress).

 

3. Sobriamente intitulado Ponte de Lima Cultural, este Portal digital é um digno exemplo do que se pode fazer hoje para potenciar o conhecimento sobre uma região. Para isso, não é sequer necessário um apoio formal do poder político ou institucional (autárquico ou outro), preservando-se assim toda a independência do projecto na área da Cultura e, sobretudo, a natureza supra-partidária ou supra-ideológica de um verdadeiro empreendimento cultural. De facto, indispensável à nossa identidade e mesmo à nossa qualidade de vida, enquanto cidadãos do séc. XXI, a Cultura é um preciso bem-comum, um direito e um dever que a todos diz respeito, independentemente da raça, crença religiosa ou opção política. Aliás, a área da Cultura potencia manifestamente uma capacidade de iniciativa típica do chamado terceiro sector, iniciativasprivadas de utilidadepública, tendo origem na sociedade civil, e como impulso decisivo o dinamismo e o empenhamento cívicos.

Dentro deste enquadramento, abarcando de modo fundamentado a multiplicidade do nosso património cultural, este Portal Ponte de Lima Cultural cumpre objectivos absolutamente essenciais na dinâmica sociedade da informação em que vivemos, tais como:

 

  • 1) a promoção e a divulgação da Cultura de um concelho e de uma região, com óbvias virtualidades informativas e até pedagógicas;
  • 2) o fomento da ideia matriz de identidade cultural de uma comunidade, potenciando laços entre os limianos espalhados pelo país e pelo mundo;
  • 3) a capacidade de contribuir, através de conteúdos adequados (da História à Gastronomia) para um mais motivador turismo cultural;
  • 4) o incentivo indirecto ao turismo e economia da região, através de uma ampla, segura e actualizada informação sobre os mais diversos domínios;
  • 5) a vantagem da concentração, reunindo num único Portal, de natureza enciclopédica, uma considerável quantidade de conteúdos informativos, até agora bastante dispersos.

 

4. Ponte de Lima, com quase 900 anos de História, um passado bem visível num património cultural muito rico e diversificado, e um grande potencial de desenvolvimento e de qualidade de vida, é um concelho que bem merece todas as iniciativas que potenciem um maior conhecimento do território e das suas gentes, ao longo de vários séculos, mas com natural destaque para os tempos mais modernos.

 Definitivamente, pelas suas articulações com as áreas do Turismo e da Economia, mas também pela sua importância para a qualidade de vida das populações, a Cultura não é algo secundário e marginal à sociedade, que fica bem em discursos de mera circunstância. Como hoje se reconhece, os diversos setores da Cultura e das indústrias criativas, potenciadoras de crescente inovação, conjugando diversos conhecimentos científicos especializados (nomeadamente com o contributo das novas tecnologias da informação e da comunicação), são hoje responsáveis, a nível local, regional e nacional, por uma impressionante percentagem no PIB, sendo uma das forças criadoras de riqueza para a nossa economia. A Cultura ajuda a atrair e a fixar riqueza de uma forma única – fixação de quadros, competências, empresas –, ao serviço dos cidadãos, fomentando coesão e crescimento.

Por outro lado, a riqueza de uma sociedade depende em grande medida da consideração dada aos valores culturais. Também neste domínio, Ponte de Lima tem o dever ético de pugnar por ser um concelho exemplar ao nível de uma política cultural integrada, fazendo a ligação entre o Passado, o Presente e o Futuro. Porque a Cultura tem de se considerar, hoje mais do que nunca, um verdadeiro eixo estratégico do desenvolvimento, desde a Administração Central à Local. Porque não há políticas de verdadeiro crescimento sem Cultura. Porque a Cultura é também uma chave de leitura do próprio homem e do mundo. 

Face ao afirmado, a Cultura é um assunto transversal a toda a sociedade e, por conseguinte, demasiado importante e sério para não ser tomado como algo acessório e supérfluo; e ainda pior, para ser visto com horizontes limitados. Definitivamente, como demonstrado por grandes pensadores actuais, a Cultura tem de ser uma realidade abrangente, orgânica e vital no quotidiano das pessoas, não sendo possível preparar a construção das renovadas sociedades do Séc. XXI sem conferir à Cultura um lugar absolutamente central, numa visão integradora e humanista.

Em Ponte de Lima, os seus munícipes e responsáveis autárquicos, mercê desta referida herança cultural, todos temos de ser conscientes desse rico passado multissecular, com uma atitude de natural orgulho, mas também de respeito e de dignidade por tão abundante memória histórico-cultural, transmitindo esse legado às novas gerações. Cultura é, em suma, condição sine qua non de diversidade e de tolerância, de liberdade e de paz, de espírito crítico e de qualidade de vida.

 

Ponte de Lima no Mapa

Ponte de Lima é uma vila histórica do Norte de Portugal, mais antiga que a própria nacionalidade portuguesa. Foi fundada por Carta de Foral de 4 de Março de 1125, outorgada pela Rainha D. Teresa, que fez Vila o então Lugar de Ponte, localizado na margem esquerda do Rio Lima, junto à ponte construída pelos Romanos no século I, no tempo do Imperador Augusto. Segundo o Historiador António Matos Reis, o nascimento de Ponte de Lima está intimamente ligado ao nascimento de Portugal, inserindo-se nos planos de autonomia do Condado Portucalense prosseguidos por D. Teresa, através da criação de novos municípios. Herdeira e continuadora de um rico passado histórico, Ponte de Lima orgulha-se de possuir um valioso património histórico-cultural, que este portal se propõe promover e divulgar.

Sugestões